sábado, 16 de janeiro de 2016

Tragédias também ocorrem no paraíso

Pela Equipe editorial do Bate-papo com Netuno


Leia este post e demonstre seu apoio à bióloga que foi violentada em Noronha.

Em diversas postagens da sessão “Mulheres na Ciência” apresentamos e discutimos dificuldades enfrentadas pelas mulheres no mundo científico. Entre todas as dificuldades, focamos principalmente em violências verbais e psicológicas sofridas pelas mulheres em nossa sociedade machista (Relembre o post aqui).

Porém, não conseguimos mensurar  quão enorme foi o nosso susto ao nos depararmos com a notícia de uma bióloga de 30 anos estuprada na ilha mais paradisíaca do Brasil, Fernando de Noronha, PE (Saiba mais sobre o caso aqui).

E por que sentimos a necessidade esmagadora de abordar esse assunto aqui? Primeiro porque somos todas mulheres, segundo porque somos todas biólogas, terceiro porque já “vendemos” alguns sonhos sobre nossa profissão, através de histórias sobre mulheres que vão para ambientes inóspitos (leia mais), que embarcam sob condições nem sempre seguras (leia mais) e que lutam para achar seu espaço ao sol num ambiente de minorias (leia mais), tentando mostrar sua força e sua garra!

Quando a agressão muda de verbal e psicológica para física, o assunto fica ainda mais delicado, mais assustador... E quando se trata de uma colega de profissão, de alguém com trajetória semelhante à nossa, o assunto nos atinge como uma flechada direta no coração! Pois é assim que nós, editoras do Bate Papo com Netuno, estamos nos sentindo, como um alvo de coração partido que pode ser atingido a qualquer momento.

A bióloga citada nas reportagens estava morando em Fernando de Noronha há aproximadamente um ano, realizando o sonho de trabalhar no paraíso como prestadora de serviço do Instituto Chico Mendes. Porém, do dia para noite seu sonho é atravessado por um bandido que poderia ter colocado um ponto final em sua história. Entretanto, a vítima continua forte e tentando lutar contra o seu agressor, juntando a sociedade e clamando por justiça! Protestos estão sendo realizados em Fernando de Noronha, mulheres estão se unindo. Pedidos de combate a impunidade, de segurança e de novas denúncias estão no ar.

A mais recente notícia é de que prenderam um suspeito (veja aqui). O primeiro passo foi dado, mas ainda há um longo caminho pela frente, é preciso pedir o julgamento e que ele seja condenado. É preciso pedir que outras vítimas tenham a coragem dessa bióloga e denunciem. É preciso lutar para que nossa sociedade pare de culpar as vítimas. Comentários machistas ainda se multiplicam como do tipo: “ela aceitou carona, estava pedindo”, ou “Se o comportamento dela era indecente ela pediu” ou ainda “Será que se ele fosse um branquinho pegável, seria estupro ou fantasia na ilha do amor?” (comentários retirados do site G1, há vários outros tão chocantes quanto estes!). 

É por acreditarmos que nenhuma mulher deva passar o que essa bióloga passou e por apoiarmos a bandeira por ela levantada, que resolvemos escrever esse post. Basta! #SomosTodasMulheres #SomosTodasBiologas #SomosTodasPaulas #SomosTodasMarias #SomosTodasGiselle

Quer ajudar e não sabe como? Entre no link abaixo e peça que o tema segurança da mulher seja tratado com prioridade na audiência em que o ministério público de Pernambuco falará sobre problemas estruturais de Fernando de Noronha:


Pôr do sol no paraíso, Fernando de Noronha, PE. (Jana M. del Favero)

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Paraíso? Noronha tem todos os problemas de uma cidade grande. Perdeu este título há algum tempo. A parte terrestre está degradada e isso é reflexo da antropização de Noronha. E a sociedade está corrompida. Virou a ilha da fantasia dos endinheirados e globais. A hipocrisia e a corrupção está se sobressaindo à forma simples de se viver.

    ResponderExcluir